Doença Renal Crónica: Como Prevenir?

Professor Rui Alves
Serviço de Nefrologia, Hospitais Universidade de Coimbra

 

 

Caro Concidadão,

No dia 13 de Março de 2008 celebra-se o “Dia Mundial do Rim”. A par de inúmeros Países em todos os continentes, também em Portugal julgamos de extraordinária importância pensarmos em conjunto sobre o seu significado, e foi talvez também por isso que você resolveu espreitar o que está neste exacto momento a ler.
Sabemos que ao longo do ano já se habituou a muitas iniciativas do género mas provavelmente, nunca ninguém terá sido suficientemente seu amigo para lhe falar sobre os seus RINS e pedir que leia com muita atenção o que temos para lhe dizer.
A Sociedade Portuguesa de Nefrologia, para além das suas responsabilidades de índole técnica e científica, atribui grande importância à dinamização de uma proximidade junto do cidadão, que tem por objectivo fundamental: INFORMAR E EDUCAR SOBRE A DOENÇA RENAL E DE COMO A PREVENIR.

Desde há muito que a doença cardiovascular, a hipertensão arterial e a diabetes mellitus, são considerados gravíssimos problemas de saúde pública em todo o Mundo. Já no que diz respeito à doença renal crónica, só mais recentemente tem sido devidamente valorizada. Uma das razões é simples: com o aumento da longevidade cresce o número de indivíduos com doença cardiovascular, hipertensão e diabetes, mas é preciso notar que os rins também sofrem com aquelas doenças, e muito!. Por outro lado, sabe-se hoje que os indivíduos aparentemente saudáveis e que afinal sofrem de doença renal, tantas vezes desconhecida, apresentam dez vezes mais probabilidades de morrer prematuramente por doença cardiovascular.
Com o passar dos anos acumulam-se os erros alimentares, o excesso de peso, o stress, o tabagismo, o sedentarismo, e a tudo isto soma-se tantas vezes ignorarmos o acompanhamento que a saúde deve merecer. São grandes exemplos a falta de vigilância da tensão arterial, dos níveis de “açúcar” e do colesterol no sangue, ou um simples exame de rotina de sangue e de urina, para ver como estão a funcionar os rins. O resultado está à vista, um número crescente e preocupante de doentes, que para além de tudo o resto sofrem também de doença renal crónica que pode evoluir até tarde demais, sem causar grandes sintomas.

A respeitável sabedoria popular ensina que o “trabalho” dos rins é filtrar ou limpar o sangue, mas na realidade todos sabemos que é bastante mais do que isso. Tal como numa grande fábrica, as diversas e complicadas actividades do corpo acompanham-se da produção de muitas substâncias tóxicas que têm de ser eliminadas, e o rim tem essa função principal. Mas depois também desempenha um papel não menos importante, regulando a quantidade da água e de outras substâncias no organismo, bem como interfere de forma fundamental no funcionamento de outros órgãos.
Isto quer dizer, que quando os rins deixam de funcionar a vida não é possível. É verdade que os avanços da Ciência permitiram encontrar meios para colmatar parcialmente este problema: a diálise e a transplantação, todavia, não apagam o custo do sofrimento pessoal e familiar, bem como as consequências sociais e económicas, que são cada vez mais um quebra-cabeças para os governos de toda a parte.
Para melhor poder compreender esta realidade, nada melhor que referir alguns números que são bem expressivos do problema. Estima-se que no Mundo, um em cada dez adultos sofre de doença renal, a maior parte não sabe, e parece que esta cifra vai continuar a aumentar. Em Portugal, no final de 2005, encontravam-se dependentes de tratamento de substituição renal cerca de 13500 doentes, dois terços em diálise, e um terço com transplante renal. No mesmo ano entraram em diálise cerca de 2000 doentes, uma grande parte deles sofrendo de hipertensão arterial, diabetes mellitus, cicatrizes de infecção e cálculos (pedras) renais. Não sabemos o porquê, mas estes números fazem do nosso País um dos piores da Europa, e isto dá que pensar.
Dá que pensar, porque isto significa que é preciso agir rapidamente, para prevenir o aparecimento da doença, e evitar que ela progrida nos indivíduos já doentes, e que muitas vezes o desconhecem. Porque isso é possível!

Se está a pensar no que poderá e deverá fazer, isso já é importante porque revela que é responsável e está alertado para o problema. Então tente seguir estes conselhos, que não são novos, mas que continuarão a ser sempre essenciais:

1 - Procure, dentro do possível, seguir um estilo de vida saudável, faça exercício físico moderado e regularmente, não engorde (não exagere nas gorduras, no açúcar, na carne e no sal), não fume, e meça regularmente a sua tensão arterial.

2 – Consulte o seu médico se apresenta a tensão arterial elevada, ou aparece com frequência com as pernas inchadas ou a face.

3 – Mesmo sentindo-se bem consulte o seu médico anualmente, para que com dois simples testes de sangue e urina, fique a saber se existe alguma anomalia. Porque é possível tratar-se!

A propósito, os seus rins estão a funcionar bem? e dos seus familiares mais próximos?
Já tinha pensado nisso?
A nossa preocupação é tentar ajudar. O resto terá de ser você a fazer, pela saúde dos seus Rins e por Si.

Muito Obrigado por nos ter dedicado este momento de atenção.

PATROCINADORES (Com base no apoio dado às actividades da SPN nos últimos 5 anos)

PLATINUM
OURO
PRATA
BRONZE
MEDTRONIC
MEDINFAR
SHIRE
OCTAPHARMA
FRANCE
JABA RECORDATI
TEVA FARMA
BAYER
LÉLEMAN
ALIVE PORTUGAL
BINDING SITE
BRISTOL MYERS SQUIBB
TELEMEDICINA
MUNDIPHARMA
MERIT MEDICAL PORTUGAL
A.MENARINI
HOSPIRA PORTUGAL
ADMINSAÚDE
SPRINGER HEALTH CARE
ASSOC. ESCLEROSE TUBEROSA
CARDINAL HEALTH
SPECULUM
EBSCO INTERNACIONAL
PERMANYER PORTUGAL
PARCEIRO PARA A COMUNICAÇÃO